X
Acções colectivas para protecção dos interesses dos consumidores – Decreto-Lei n.º 114-A/2023, de 5 de Dezembro
14 de Dezembro, 2023

No passado dia 5 de Dezembro, foi publicado o Decreto-Lei n.º 114-A/2023, de 5 de Dezembro, que transpõe a Directiva (UE) 2020/1828 relativa a acções colectivas para protecção dos interesses dos consumidores.
Este diploma aplica-se às acções colectivas nacionais e transfronteiriças para protecção dos direitos e interesses dos consumidores intentadas com fundamento em infracções cometidas por profissionais às disposições do direito nacional e da União Europeia referidas no anexo I (que pode ser consultado aqui) daquela Directiva, a par dos demais meios de ressarcimento contratuais ou extracontratuais à disposição dos consumidores para as mesmas infracções.
São titulares do direito de acção colectiva para defesa destes interesses (i) as associações e as fundações, e (ii) as autarquias locais. Quanto ao direito de acção colectiva transfronteiriça, a sua titularidade pertence às entidades qualificadas previamente designadas por outros Estados-Membros.
Exercício da acção colectiva nacional e transfronteiriça
A) Financiamento
Com o propósito de oferecer transparência ao financiamento de acções colectivas por parte de terceiros – conforme declarado no preâmbulo do diploma –, o legislador determinou que “No caso de celebração de acordo de financiamento relativo à prossecução de uma acção colectiva com terceiros, (…) o demandante da acção colectiva fornece ao tribunal cópia autenticada do acordo, redigido de forma clara, facilmente compreensível e em língua portuguesa (…)”, indicando o conteúdo obrigatório do acordo (cfr. o n.º 1 do artigo 10.º). O diploma determina, a propósito, que o acordo deve garantir a independência do demandante e a ausência de conflitos de interesses.
B) Consulta prévia
O legislador determinou, por outro lado, que as medidas inibitórias definitivas destinadas a fazer cessar, ou identificar ou proibir uma prática considerada uma infracção, só podem ser

requeridas no prazo de duas semanas a contar da recepção, pelo profissional, de comunicação, via carta registada com aviso de recepção, sem que este tenha posto termo à infracção. Nessa comunicação, tem, obrigatoriamente, que consta:
1) Descrição da conduta ou dos factos cuja prática deve cessar ou que possam ter causado danos aos consumidores; e
2) As normas da legislação de protecção dos consumidores violadas.
C) Prescrição
No que respeita ao prazo de prescrição, determina-se o seguinte:
1) A instauração de uma acção colectiva para obtenção de medidas inibitórias interrompe o prazo de prescrição aplicável aos consumidores representados nessa acção colectiva para o exercício dos direitos decorrentes da infracção em causa, no âmbito de uma acção para obtenção de medidas de reparação;
2) A instauração de uma acção colectiva para obtenção de medidas de reparação interrompe o prazo de prescrição aplicável aos consumidores representados nessa acção colectiva para o exercício dos seus direitos.
Informação sobre acções colectivas
De acordo com o que é declarado no preâmbulo deste diploma, “Com vista a garantir que os

consumidores são devidamente informados sobre as acções colectivas intentadas em Portugal (…)”, os demandantes são obrigados a divulgar na sua página da internet:
1) Identificação da acção colectiva em causa;
2) Fase processual em que se encontra;
3) Resultado da acção;
4) Decisão do tribunal.
Também no plano da informação, a Direcção-Geral do Consumidor é responsável pela disponibilização ao público, na sua página de internet e através do Portal Único de Serviços, de informação sobre:
1) Entidades qualificadas previamente designadas para efeitos de propositura de acções colectivas transfronteiriças;
2) Acções colectivas em curso e concluídas.
A mesma Direcção-Geral do Consumidor fica obrigada, ainda, a comunicar anualmente à Comissão Europeia:
1) O número e o tipo de acções colectivas concluídas junto dos tribunais nacionais;
2) O tipo de infracções em causa nas acções;
3) As partes envolvidas nas acções;
4) O resultado das acções.
Aplicação no tempo
O presente Decreto-Lei aplica-se às acções colectivas intentadas a partir da sua entrada em

vigor, à excepção do disposto no n.º 1 do artigo 14.º, que se aplica apenas às acções colectivas para obtenção de medidas de reparação decorrentes de infracções ocorridas após a entrada em vigor do diploma.
Entrada em vigor
Este diploma entrou em vigor em 06.12.2023.

Notas:
• O presente resumo não dispensa a consulta do texto integral e não constitui aconselhamento jurídico.
• Para consulta integral do diploma, aceda a https://dre.pt/.

Para ler a notícia na íntegra descarregue o PDF
Download PDF
Autores
Leia mais notícias
11 de Abril, 2024
Novo sistema de informação “Empresa Online 2.0” Alterações a diplomas legislativos avulsos

Foi publicado no passado dia 3 de Abril o Decreto-Lei n.º 28/2024, de 3 de abril, que adapta o ordenamento jurídico ao novo sistema de informação “Empresa 2.0”.

As principais alterações efetuadas com a entrada em vigor deste diploma dizem respeito a:

  1. Código do Registo Comercial;
  2. Regulamento Emolumentar dos Registos e Notariado;
  • Decreto-Lei n.º 125/2006, de 29 de Junho, que cria a “Empresa Online“;
  1. Decreto-Lei n.º 24/2019, de 1 de Fevereiro, que estabelece as regras aplicáveis à comunicação eletrónica entre o registo comercial nacional e os registos de outros Estados-Membros da União Europeia; e
  2. Decreto-Lei n.º 109-D/2021, de 9 de dezembro, que cria um regime de registo online de representações permanentes de sociedades com sede no estrangeiro.
27 de Fevereiro, 2024
Regulamentação do Balcão do Arrendatário e do Senhorio, e definição do reforço das garantias dos arrendatários em situação de carência de meios

No passado dia 15.02.2024, foram publicados dois diplomas com relevância no plano do arrendamento urbano, na sequência de algumas das alterações promovidas pela Lei n.º 56/2023, de 6 de Outubro, vulgo “Mais Habitação”: a Portaria n.º 49/2024, de 15 de Fevereiro, que regulamenta o procedimento de despejo e o procedimento de injunção em matéria de arrendamento, quanto aos aspectos referidos no n.º 1 do artigo 1.º, bem como o regime de designação e de intervenção de Agente de Execução, Notário ou Oficial de Justiça no despejo que ocorra durante a acção de despejo que seja tramitada exclusivamente pelo Tribunal, e a Portaria n.º 50/2024, de 15 de Fevereiro, que procede à definição do reforço das garantias dos arrendatários em situação de carência de meios no âmbito do procedimento especial de despejo tramitado pelo Balcão do Arrendatário e do Senhorio (“BAS”).

14 de Dezembro, 2023
Portaria n.º 414/2023, de 7 de Dezembro – Determina a idade normal de acesso à pensão de velhice em 2025

No passado dia 7 de dezembro, foi publicada a Portaria n.º 414/2023, de 7 de Dezembro, que veio determinar o seguinte:
1) A idade normal de acesso à pensão de velhice do regime geral de segurança social em 2024 é 66 anos e 7 meses;
2) O factor de sustentabilidade